HOME
  Atendimento (21) 3171-7854 / 2493-7854 / 2653-1621     FACEBOOK   TWITTER   YOUTUBE  
 
 
 
  PRÓ NASCER News Voltar ao topo Voltar ao PRÓ NASCER News  
 

Zika Vírus e a Gravidez

 
  Dr. João Ricardo Auler  
     
   
     
 
 
     
 

   O Brasil enfrenta uma epidemia do Zika vírus. Este vírus é transmitido pelo mosquito aedes aegypti, que pica durante o dia, e provoca sintomas parecidos com os da dengue, porém mais brandos, onde os mais comuns são: febre, dores nas articulações, dores de cabeça, manchas avermelhadas na pele e conjuntivite. Apesar da transmissão ser similar a da dengue, acredita-se que durante a manifestação dos sintomas, o vírus também pode ser transmitido pelo sangue ou pela relação sexual. Por este princípio, também poderia ocorrer na amamentação.

   O governo brasileiro afirma que existe uma relação entre o vírus transmitido pelo Zika e a microcefalia, apesar de não ter sido completamente comprovada essa relação. Alguns autores relatam um aumento de bebês nascidos com microcefalia em zonas afetadas por Zika. Porém, outras fontes o atribuem ao uso de um larvicida nas fontes de água.

   O mecanismo de ação seria uma afecção craniana na qual o bebê nasce com o cérebro de tamanho menor que o normal onde poderiam existir diferentes graus de acometimento neurológico. Não se sabe em que fase da gravidez o vírus Zika é mais perigoso para o bebê, mas os três primeiros meses é sempre o período mais crítico, porque os órgãos estão em formação.

   Cada caso deve ser individualizado e discutido com o seu médico. Embora as autoridades tenham recomendado evitar a gravidez, o adiamento indefinido pode representar uma queda significante nas expectativas de gravidez, pois a idade feminina, que é inversamente proporcional à qualidade dos óvulos, e a reserva ovariana da mulher, são fundamentais nas taxas de gravidez, mesmo se aplicando tecnologias de ponta como a Fertilização in vitro. Assim, esta decisão deve ser muito bem ponderada.

   É importante lembrar que para estes casos de maior risco, ou receio extremo por parte do casal, pode-se considerar a técnica do congelamento de embriões. Esta, além de segura e eficaz, permite manter a capacidade reprodutiva do casal sem a perda de eficiência, caso a postergação da gravidez se dê por longo período de tempo.

   Até o momento, para as áreas não endêmicas não há motivos para se recomendar o adiamento da gestação. Porém, as orientações do uso de repelente para prevenção da infecção ficam mantidas para toda a população.

   A Rede Latino Americana de Reprodução Assistida (RedLara) publicou recentemente, recomendações sobre a epidemia do Zika vírus, onde o texto ressalta que toda decisão deverá ser tomada pelo paciente que deseja engravidar: “É necessário respeitar a autonomia dos pacientes. Não se pode tomar como recomendação que as mulheres não engravidem. Não sabemos quanto tempo durará esta epidemia. A fertilidade da mulher diminui com a idade. Somente os pacientes sabem o que é melhor para eles mesmos." Lembramos que a decisão de conceber é um direito exclusivo da mulher".

  
A Clínica Pró Nascer tem a mesma posição que a RedLara, ou seja, a prevenção da contaminação através de repelentes específicos na gravidez é a nossa recomendação. Vivenciamos este tipo de tratamento no nosso dia a dia e sabemos como é significativo a diminuição das taxas de gravidez com a idade feminina avançada, principalmente após os 35 anos.

   A Clínica Pró Nascer está à disposição para maiores orientações sobre este fato através da consulta médica.

   Atenciosamente, Dr. João Ricardo Auler, Diretor médico da Clínica Pró Nascer.

 
     
 
  Voltar ao topo Voltar ao topo Compartilhe nas redes sociais:      
 
 
     
 
 
Direitos reservados a PRO NASCER.com.br. Desenvolvido por INTERPIX Internet