HOME
  Atendimento (21) 3171-7854 / 2493-7854 / 2653-1621     FACEBOOK   TWITTER   YOUTUBE  
 
 
 
  PRÓ NASCER News Voltar ao topo Voltar ao PRÓ NASCER News  
 

Transferência de embriões congelados x frescos

 
 

Transferência de embriões descongelados de rotina é o futuro da reprodução humana assistida?

 
  Carine de Lima e Dr. João Ricardo Auler  
     
 
 
     
 

   A tecnologia dentro do mundo da reprodução humana assistida (RHA) cresce exponencialmente a cada ano, levando à criação e aprimoramento de uma série de técnicas que otimizam os resultados finais dos tratamentos. Dentre essas estratégias utilizadas, uma das mais discutidas e cada vez mais implementada é o congelamento de embriões. No caso,  o congelamento de embriões tem tido tanto sucesso e mostrado algumas vantagens, que hoje discute-se a possibilidade do congelamento dos embriões totais,  de maneira a não transferi-los frescos,  mas sim em ciclos posteriores.

   Sabe-se que o aspecto da receptividade endometrial é fundamental para o sucesso da gravidez, uma vez que define o ambiente favorável para a implantação e desenvolvimento do embrião no útero. Contudo, os procedimentos realizados para a estimulação ovariana nos tratamentos de RHA diminuem essa receptividade endometrial, devido às alterações hormonais desencadeadas pelos fármacos administrados. Sabe-se que os altos níveis de estradiol e, principalmente,  de progesterona,  levam a um ambiente de rejeição ao embrião,  diminuindo então as chances de gravidez. Dessa forma, caso fosse possível manter os embriões viáveis enquanto a situação fisiológica do útero é regularizada,  o obstáculo da estimulação ovariana poderia ser evitado. Assim, o congelamento de embriões tornou-se uma ferramenta útil, pois fornece justamente essa opção de manutenção dos embriões por tempo indeterminado.

   Para se ter um ambiente receptivo uterino,  uma série de diferentes aspectos precisa estar precisamente regulada e sincronizada. Em casos de hiperestimulação ovariana,  os níveis alterados de estradiol tem efeitos deletérios para a implantação do embrião, principalmente por ter um efeito tóxico sobre os processos de divisão celular,  podendo também gerar bebês pequenos para a idade gestacional. Já a progesterona, se esta tem seus níveis desregulados, pode tornar o útero um ambiente inóspito e diminui a qualidade dos embriões, diminuindo muito as taxas de implantação.

   Quando essa situação é normalizada e os níveis hormonais uterinos são regulados, a gravidez tem maiores chances de sucesso.  Isso poderia ser explicado por uma melhor sincronia entre o embrião e o endométrio alcançada com ciclos de preparação isolada do endométrio, um ambiente mais natural e compatível com a concepção espontânea. Dessa forma, a transferência de embriões descongelados tem se mostrado vantajosa e com ótimas perspectivas, uma vez que é realizada justamente num momento de melhores condições uterinas.  Além disso,  deve-se ressaltar que a transferência de embriões congelados é mais simples;  as medicações utilizadas para tornar o ambiente uterino mais favorável são orais e muitas vezes o ciclo natural,  sem medicamentos, poderá ser a melhor opção. Portanto, a quantidade total de medicamento é muito menor do que o indicado em um ciclo de fertilização in vitro à fresco.

   Por fim, as taxas de gestação obtidas em pacientes que utilizaram embriões congelados têm sido tão satisfatórias que, em alguns casos, chegam a ser melhores do que as de pacientes que transferiram embriões frescos pois além das alegações acima citadas,  a técnica de congelamento atráves da “Vitrificação” nos mostram a manutenção da mesma características pós descongelamento  na quase totalidade  dos embriões . Na realidade,  tem-se cada vez melhores taxas de implantação e gravidez; menores taxas de aborto, nascimento prematuro e sangramento durante a gestação, além dos bebês apresentarem também maior peso ao nascimento. Assim, as pesquisas apontam cada vez mais que a fertilização in vitro,  quando for seguida de transferência de embriões descongelados, obtém-se resultados superiores às gestações concebidas em ciclos de transferência de embriões frescos.

   A Clínica Pró Nascer aguarda trabalhos científicos publicados mundialmente, nos mostrando vantagens mais seguras para que possamos aplicar esta técnica de rotina, pois nosso objetivo primordial são os resultados cada vez mais satisfatórios.

 
     
 
  Voltar ao topo Voltar ao topo Compartilhe nas redes sociais:      
 
 
     
 
 
Direitos reservados a PRO NASCER.com.br. Desenvolvido por INTERPIX Internet